EXPOSIÇÃO VIRTUAL

A navegação mercante em tempos de guerra

O caso dos vapores alemães em Cabedelo durante a 1ª Guerra Mundial (1914-1918).

Imagine-se na seguinte situação: você é tripulante de um navio, que viaja pelo mundo transportando mercadorias, embarcando e desembarcando passageiros. De repente, após chegar em um porto distante, em uma pequena vila, de clima quente e sufocante, bem diferente de sua terra, com gente de hábitos e costumes estranhos ao seu, é impedido pelas autoridades locais de zarpar com seu navio de volta para seu país, ficando anos preso no lugar, no mesmo porto, diante uma rotina tediosa...um verdadeiro pesadelo, não é?

 
Parece roteiro de um filme de ficção, mas foi exatamente isso que ocorreu com os tripulantes alemães dos vapores “Minnenburg”, “Salamanca” e “Persia” no ano de 1914, há quase 110 anos. Esta é apenas uma parte de sua História. Mas o destino dos tripulantes alemães e seus navios não pode ser explicado apenas pelos fatos em si, nas narrativas dos jornais da Paraiba, de Pernambuco e do Rio de Janeiro: é preciso ir além. Porque ali estavam? De onde vieram, o que faziam e para onde iam? E mais: o que eles fizeram durante todo esse tempo para superar a solidão, o tédio e a saudade da Vaterland? 


Ao leitor e a leitora, cabe em primeiro lugar, explicar o porquê de os alemães estarem ali, no cais da Vila de Cabedelo, um pequeno povoado da costa Nordeste do Brasil, que no início do século passado, possuía uma população pequena. Ao mesmo tempo, seu cais (trapiche ou molhe) era um lugar de grande importância para a economia local, porta de entrada do mundo exterior e de exportação e importação dos produtos tão necessários à economia do estado da Paraíba. Eis os fatos.

Introdução

I

Em 1871, a Alemanha tornou-se uma nação unificada e independente. Com um grande poderio industrial e bélico, a nova nação...

III

Entre as companhias mercantes alemães principais que atuavam no mundo inteiro em especial no Atlântico na virada do século 19 para o 20...

II

Tendo desde meados do século 19 sido um dos principais destinos da imigração alemã (especialmente para a região Sul e Sudeste), devido a fatores como o fim gradual da escravidão...

IV

Receoso de ataques ingleses, o capitão Otto Kreyer, comandante do Salamanca, decidiu realizar uma “arribada forçada” ao local mais próximo...

VI

O ano de 1917 foi marcado por grandes mudanças no decurso da I Guerra Mundial...

V

Em setembro de 1915, um fato no mínimo inusitado: marujos ingleses do vapor Professor, que se encontrava no mesmo cais...

Texto e pesquisa

Historiador Me. George Henrique

Design da exposição virtual

Professor Doutor Ticiano Alves

Revisão ortográfica

Professora Ma. Raphaella Alves

Referências / fontes

DARÓZ, Carlos. O Brasil na Primeira Guerra Mundial: a longa travessia. Editora Contexto, 2016.

HERWIG, Holger. 'Luxury'Fleet:(RLE The First World War): The Imperial German Navy 1888-1918. Routledge, 2014.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX. Editora Companhia das Letras, 1995.

HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios: 1875-1914. Editora Paz e Terra, 2015.

KITCHEN, Martin. História da Alemanha moderna. Editora Cultrix, 2015.

SONDHAUS, Lawrence. The Great War at Sea: A Naval History of the First World War. Cambridge University Press, 2014.

CRÉDITOS

MUSEUEXEA

Pesquisar, Preservar e Educar

Informações

Nº. SNIIC: SP-21484

CNPJ: 41.485.112/0001-67

Contatos

(83) 9638-1697

contato@museuexea.org

Av. Governador Argemiro de Figueiredo, n°210 - Sala 001 - 58.037-030 - CXPST: 192

© 2021 Por Museu Virtual Marítimo EXEA. Created on Editor X.

© Museu EXEA

Fique
Informado

Receba nosso boletim informativo semanal.

Obrigado pelo envio!

O Museu Marítimo EXEA é um museu sustentável, que se utiliza do mundo virtual para promover a salvaguarda do patrimônio cultural marítimo a partir do Extremo Oriental das Américas.

Contate-nos

Entre em contato conosco. Retornaremos com a maior brevidade. Bons ventos!

Obrigado pelo envio!